Biografia de Filipe La Féria

Iniciou a sua actividade teatral, em 1963, como actor, no Teatro Nacional, com Amélia Rey Colaço tendo ainda pertencido às companhias do Teatro Estúdio de Lisboa, Teatro Experimental de Cascais e Teatro da Cornucópia. Foi director, durante 16 anos, do Teatro da Casa da Comédia, onde encenou, entre outros, Faz Tudo, Faz Tudo, Faz Tudo! A Paixão Segundo Pier Paolo Pasolini, A Marquesa de Sade, Eva Péron, Savanah Bay, A Bela Portuguesa, Electra ou a Queda das Máscaras, Noites de Anto, A Ilha do Oriente, revelando autores como Marguerite Yourcenar, Mishima, Marguerite Duras ou Mário Cláudio. Em 1990 escreve e encena What Happened to Madalena Iglésias e aceita o convite como autor, encenador e cenógrafo de Passa por Mim no Rossio, no Teatro Nacional D. Maria II, encenando, posteriormente, no mesmo Teatro As Fúrias de Agustina Bessa-Luís. Dirige, em Bruxelas, o espectáculo inaugural da Europália (1991), e em Sevilha, o Dia de Portugal na Expo Sevilha' 92. Estudou encenação em Londres como bolseiro da Fundação Calouste Gulbenkian e foi professor universitário durante mais de uma década, onde regeu a cadeira de «Arte e Imagem» na Universidade Independente.

Foi premiado várias vezes pela Crítica, Casa da Imprensa, Secretaria de Estado da Cultura e vários órgãos de comunicação social como autor, encenador e cenógrafo. No décimo aniversário do 25 de Abril, a Associação Portuguesa de Críticos premeia-o como uma das personalidades que mais se destacaram no Teatro. Foi condecorado Comendador com a Ordem do Infante D. Henrique pelo Presidente da República, Dr. Mário Soares e em 2006 recebe nova condecoração, a Grã-Cruz da Ordem do Infante, atribuída por outro Presidente da República, Dr. Jorge Sampaio, tendo ainda sido condecorado com a Medalha de Ouro da cidade de Lisboa. Ganhou os Globos de Ouro dos melhores espectáculos com Amália em 2000, My Fair Lady em 2003, Música no Coração em 2006 e West Side Story em 2009. Entre os muitos musicais que já escreveu, adaptou e encenou como Passa por Mim no Rossio, Maldita Cocaína, Música no Coração, Amália, My Fair Lady, A Canção de Lisboa, West Side Story, Jesus Cristo Superstar, Um Violino no Telhado, Piaf, A Gaiola das Loucas, Annie e Fado | História de Um Povo, destacam-se, na área do teatro infantil, peças como A Menina do Mar de Sophia de Mello Breyner

Andresen, Alice no País das Maravilhas de Lewis Carroll, A Estrela de Virgílio Ferreira e O Principezinho, o célebre livro de Antoine Saint-Exupéry. Em 2009, faz a adaptação para teatro do clássico do cinema O Feiticeiro de Oz e um ano depois, a adaptação da série televisiva O Sítio do Picapau Amarelo num espectáculo visto por milhares de crianças que regressaram ao Teatro Politeama para assistirem ao musical infanto-juvenil, Pinóquio, no mesmo ano em que faz a revisão da sua carreira em O Melhor de La Féria no Casino Estoril e revela Vanessa como actriz no papel de Judy Garland no musical O Fim do Arco-Íris e confirma-a como protagonista em Uma Noite em Casa de Amália. Vinte anos depois de revolucionar o teatro musical com o histórico Passa Por Mim No Rossio, regressou a este género tão querido do público português com um musical que passa em revista a nossa actualidade política, económica e social com uma crítica acutilante e mordaz, plena de humor, música e uma arrojada coreografia na comemoração dos 100 anos do Politeama num espectáculo que revisitou a arte de ser português: uma Grande Revista À Portuguesa que lhe valeu o Prémio de o

Homem do Ano na área do Teatro da Revista GQ, e que tem agora a sua continuidade neste PORTUGAL À GARGALHADA.